CERTI NIO, a plataforma de IoT da Fundação CERTI

- por Sergio Prado

Categorias: Hardware Tags: ,

A Fundação CERTI, localizada no Campus Universitário da UFSC em Florianópolis/SC, é uma das mais conceituadas instituições de pesquisa e desenvolvimento de projetos eletrônicos do Brasil.

Na semana passada, eles lançaram no Catarse um projeto bem bacana chamado Certi NIO. A idéia é desenvolver no Brasil uma plataforma de hardware de tamanho reduzido para facilitar o desenvolvimento de soluções em Internet das Coisas e sistemas vestíveis (wearables), além de auxiliar na prototipação de produtos eletrônicos de forma geral.

Segundo a própria CERTI, a ideia surgiu para suprir a necessidade de uma plataforma de IoT para seus projetos internos. Mas eles acabaram percebendo que a solução poderia ser útil a vários desenvolvedores, então resolveram abrir o projeto à comunidade.

O hardware é baseado em um ARM Cortex-M4 da ST rodando a 180MHz, com 2MB de flash interna e 384K de RAM interna, além de uma memória SDRAM externa de 32MB e uma flash NOR QuadSPI de 32MB!

Como o foco desta plataforma está em soluções de conectividade, possui integrado o suporte a Bluetooth 4.2 e Wi-Fi 802.11(b/g/n). A placa possui também 6 GPIOs, 4 LEDs configuráveis, 4 ADCs, 1 DAC e um sensor IMU, além de suporte à conexão com display, câmera, Ethernet, USB, SPI, I2C, CAN e UART.

Segundo a página de divulgação do projeto, ele será 100% aberto (Open Hardware e Open Software), e o que me atraiu bastante foi a quantidade de memória disponível para uma plataforma microcontrolada, possibilitando por exemplo o uso do kernel Linux (sem suporte a MMU) e de sistemas operacionais de tempo real como NuttX, RIOT-OS e Zephyr, que são mais complicados de serem utilizados em sistemas com baixa quantidade de memória RAM e flash.

A campanha no Catarse já está no ar, e todos os recursos que levantarem serão utilizados na fabricação do hardware e no desenvolvimento do projeto.

Quem tiver interesse em ajudar no financiamento do projeto, é só acessar o site da campanha.

Um abraço!

Sergio Prado

  • Oi Sérgio, você sabe qual é o módulo de WIFI/BLE?

    • Olá Fabio!

      Conversei com o pessoal do projeto, e eles me disseram que ainda estão acertando alguns detalhes do hardware e que a documentação deverá ser disponibilizada ao final da campanha no Catarse.

      Sobre o chip WiFi/Bluetooth em específico, eles começaram com um chip da TI, mas acabaram migrando para um da Realtek.

      Um abraço!

      • Valeu Sérgio! A pergunta era justamente para saber o que seria interessante rodar na placa. Usando realtek basicamente se excluem todas alternativas ao Linux (btw, vc escreveu Zephyr errado no post!).

        Pelo menos atualizaram no catarse para “Quando for lançada, a CERTI NIO será open source e open hardware. Isso significa que você terá a mesma liberdade de uso e modificação que nós temos.” porque antes estava dizendo que “é aberto”, ou seja, era propaganda enganosa. O fato de usar Altium como está no FAQ basicamente exclui a grande maioria dos possíveis contribuidores. Mas até aí são coisas da vida e não chega a ser o maior empecilho.

        O problema maior do projeto é o nível de obscurantismo. Se é open hardware, e sem esta de “vai ser”, já deviam jogar tudo no github (ou similar) duma vez e pegar feedback dos futuros usuários mas claramente eles não tem tato nesta área (não entendem o conceito de aberto). Temos que apoiar projetos brasileiros e precisamos iniciativas assim, mas puxa, podia ser feito da forma que todo mundo faz open hardware no mundo. Se eu fosse comprar ou apoiar um projeto preciso ver antes o que já está feito, o que falta fazer, e no que posso ajudar. Neste aí está difícil…

        Abraço!

        • Olá Fabio,

          Obrigado pela correção do Zephyr! :)

          E muito obrigado por expressar seu ponto de vista. O pessoal do projeto está “escutando” os comentários deste post, e com certeza vão trabalhar para melhorar a forma como estão tratando este projeto como Open Hardware.

          Um abraço!

  • Alan

    Sérgio, o NuttX roda em microcontroladores com menos de 16KB de RAM. Veja um exemplo dele rodando num LPC1114 na breadboard sem componentes externos e consumindo menos de 2KB: https://www.flickr.com/photos/79703543@N00/18013069041/sizes/h/ . Claro, o ideal é ter mais de 32KB de RAM para colocar stack TCP/IP, 6LoWPAN, etc.

    • Olá Alan! Legal, obrigado por compartilhar. Não sabia que o NuttX chega a ter um footprint de menos de 2K. Mas imagino que, em um projeto grande, incluindo drivers e pilhas de protocolo, precise de algumas centenas de KB, certo?

      • Alan

        Verdade Sérgio, se você ativar rede, USB, servidor gráfico (NX Server), etc (tudo ao mesmo tempo), você vai precisar de algumas dezenas ou até centenas de KBs. Mas para a maioria das aplicações você vai gastar no máximo algumas dezenas de KBs. É interessante ter mais memória para poder portar alguns softwares como o picotts ou a libccv pra NuttX.

        • Bacana Alan! Preciso voltar a brincar com o NuttX :)

          • Alan

            É isso aí Sérgio! Você pode acompanhar meus vídeos tutoriais: http://www.youtube.com/c/NuttXChannel já tem bastante coisa lá. No final teremos uma biblioteca com praticamente tudo que já existe pra Arduino. ;-)

Navegue
Creative Commons Este trabalho de Sergio Prado é licenciado pelo
Creative Commons BY-NC-SA 3.0.