Bus Pirate – O pirata dos barramentos

- por Sergio Prado

Categorias: Hacking, Hardware Tags: , , ,

Foi lendo um artigo no Hack a Day uns tempos atrás que descobri a ferramenta Bus Pirate da Dangerous Prototypes.

Não hesitei em comprar. A ferramenta é simplesmente fantástica!

Durante os meus anos (e anos) de carreira na área de embarcados, sempre estive envolvido com desenvolvimento de drivers e protocolos de comunicação. E quem trabalha com isso sabe como é difícil debugar drivers e protocolos de comunicação, principalmente quando nada funciona. Sim, existem osciloscópios e analisadores lógicos. Mas os bons são caros. E eu só quero saber o que esta trafegando no barramento de comunicação. É ai que entra o Bus Pirate!

O Bus Pirate é uma espécie de interface universal à barramentos de comunicação, com suporte à 1-Wire, I2C, SPI, JTAG, UART, MIDI, PC keyboard, HD44780 LCDs e barramentos genéricos de 2 ou 3 fios para protocolos customizados.

De um lado temos um cabo USB que alimenta a placa e cria uma porta serial virtual quando você a conecta no seu PC. Do outro lado temos um barramento de 10 pinos que você irá conectar ao barramento que pretende manipular.

E o que ele consegue fazer com o barramento? Ele pode apenas monitorar o barramento de forma não-intrusiva, que chamamos de sniffing. Neste modo, você verá tudo o que esta trafegando naquele barramento.

Mas não responda ainda! Ele pode também manipular o barramento, enviar dados, configurar dispositivos conectados, etc. Ele mede frequências na faixa de 1MHz a 40MHz, gera pulsos PWM de 1KHz a 4MHz, serve de analisador lógico para baixas frequências na ordem de 10Hz a 1MHz.

Ele é suportado pelo AVRDUDE e pode ser usado como gravador de microcontroladores AVR. E também é suportado pelo OpenOCD e pode ser usado para debugar o kernel do pinguim mais famoso do mundo (o que espero em breve fazer por aqui!).

E o melhor de tudo, o Bus Pirate é 100% open source, tanto o hardware quanto o software! :)

A documentação completa do projeto esta disponível aqui.

USANDO O BUS PIRATE

Ao conectar o Bus Pirate na sua máquina de desenvolvimento, será criada uma porta serial virtual, que você poderá acessar com sua aplicação de terminal de preferência, como o minicom, picocom, putty ou hyperterminal (argh!).

Abra sua aplicação de console, configure como 115200,8N1 e se conecte ao Bus Pirate.

Todo o acesso ao Bus Pirate é via linha de comando no terminal. A primeira vez que você liga, ele começa num modo de alta impedência, um modo seguro onde todas as saídas ficam desabilitadas, e você terá acesso à linha de comandos da ferramenta:

HiZ>

Se você digitar ‘?’ ele irá exibir todos os comandos suportados:

HiZ>?
General					Protocol interaction
---------------------------------------------------------------------------
?	This help			(0)	List current macros
=X/|X	Converts X/reverse X		(x)	Macro x
~	Selftest			[	Start
#	Reset				]	Stop
$	Jump to bootloader		{	Start with read
&/%	Delay 1 us/ms			}	Stop
a/A/@	AUXPIN (low/HI/READ)		"abc"	Send string
b	Set baudrate			123
c/C	AUX assignment (aux/CS)		0x123
d/D	Measure ADC (once/CONT.)	0b110	Send value
f	Measure frequency		r	Read
g/S	Generate PWM/Servo		/	CLK hi
h	Commandhistory			\	CLK lo
i	Versioninfo/statusinfo		^	CLK tick
l/L	Bitorder (msb/LSB)		-	DAT hi
m	Change mode			_	DAT lo
o	Set output type			.	DAT read
p/P	Pullup resistors (off/ON)	!	Bit read
s	Script engine			:	Repeat e.g. r:10
v	Show volts/states		.	Bits to read/write e.g. 0x55.2
w/W	PSU (off/ON)		//	Usermacro x/assign x/list all

Um documento sobre como usar esta interface pode ser acessado aqui, e um guia completo de todos os comandos pode ser acessado aqui.

Muito bem! Que tal agora usá-lo para acessar o bootloader e a console de um roteador Wi-Fi e sniffar um barramento I2C?

BUS PIRATE E A PORTA SERIAL

Boa parte dos roteadores Wi-Fi disponíveis no mercado são baseados em Linux. Você pode inclusive substituir o firmware de fábrica destes roteadores por distribuições Linux conhecidas como o OpenWRT e o DD-WRT.

Normalmente estes roteadores possuem uma saída de console, possibilitando acessar o bootloader do equipamento. Se você não encontrar nenhuma informação na Internet sobre o roteador, é só abri-lo. É normalmente fácil identificar  os pinos de conexão da console (o mais comum são 4 pontos de conexão, veja o exemplo abaixo). Identifique-o e solde uma barra de pinos para facilitar o acesso.

O problema é que esta saída de console é TTL, e trabalha com níveis lógicos de 0 a 5V. Então não conseguimos ligar direto à uma porta RS232, que trabalha com níveis lógicos de -12 a +12. Por outro lado, é um prato cheio para nosso Bus Pirate, que fala TTL!

Como eu já tinha aqui em casa um roteador da D-Link com a barra de pinos já soldada, decidi usá-lo. Liguei o Bus Pirate no roteador baseado na pinagem abaixo:

Como não tinha nenhuma documentação, precisei “adivinhar” a pinagem do roteador. Descobri qual era o terra com um multímetro, e os pinos RX e TX eu conectei baseado na tentativa e erro. No final, ficou assim:

Acessei o terminal e configurei o modo UART no Bus Pirate:

HiZ>m 3 9 1 1 1 1
UART (spd brg dbp sb rxp hiz)=( 8 34 0 0 0 1 )
Ready

Depois habilitei o modo bridge:

UART>(1)
UART bridge
Reset to exit
Are you sure? y

Neste modo, o Bus Pirate serve apenas como ponte entre o hardware que estamos monitorando e o PC. Na prática, ele se transforma em um conversor USB/serial para acessarmos diretamente a console do roteador.

Reiniciei o roteador e voilà! Acesso total à console do bichinho:

CFE version 1.0.37-106.5 for BCM96328 (32bit,SP,BE)
 
Build Date: Fri Sep 10 21:14:22 CST 2010 (xueyinfeng@localhost.localdomain)
Copyright (C) 2000-2009 Broadcom Corporation.
 
HS Serial flash device: name ID_W25X64, id 0xef16 size 8192KB
Total Flash size: 8192K with 128 sectors
Chip ID: BCM6328B0, MIPS: 320MHz, DDR: 320MHz, Bus: 160MHz
Main Thread: TP0
Memory Test Passed
Total Memory: 33554432 bytes (32MB)
Boot Address: 0xb8000000
 
Board IP address : 192.168.1.1:ffffff00 
Host IP address : 192.168.1.100 
Gateway IP address : 
Run from flash/host (f/h) : f 
Default host run file name : ?|?~}}u_|~?>OWw<!--?6~O| 
Default host flash file name : w7w~-->~9n|xm|_|k?~>O>^{~~_><~~>n=0|z:>X^~~~^^w|Oz 
Boot delay (0-9 seconds) : 1 
Board Id (0-6) : 96328AVNG 
Number of MAC Addresses (1-32) : 11 
Base MAC Address : 1c:bd:b9:7c:20:d1 
PSI Size (1-64) KBytes : 24 
Enable Backup PSI [0|1] : 0 
System Log Size (0-256) KBytes : 0 
Main Thread Number [0|1] : 0
 
*** Press any key to stop auto run (1 seconds) ***
Auto run second count down: 0
Booting from only image (0xb8010000) ...
Code Address: 0x80010000, Entry Address: 0x80014230
Decompression OK!
Entry at 0x80014230
Closing network.
Disabling Switch ports.
Flushing Receive Buffers...
0 buffers found.
Closing DMA Channels.
Starting program at 0x80014230
Linux version 2.6.30 (xueyinfeng@localhost.localdomain) (gcc version 4.4.2 (Buildroot 2010.02-git) ) #8 Fri Jul 27 23:07:33 BRT 2011
HS Serial flash device: name ID_W25X64, id 0xef16 size 8192KB
96328AVNG prom init
CPU revision is: 0002a075 (Broadcom4350)
Determined physical RAM map:
memory: 01f00000 @ 00000000 (usable)
Zone PFN ranges:
DMA 0x00000000 -> 0x00001000
Normal 0x00001000 -> 0x00001f00
Movable zone start PFN for each node
early_node_map[1] active PFN ranges
...

Para mais informações sobre os comandos de acesso à UART, clique aqui.

SNIFFANDO O BARRAMENTO I2C

Vou fazer aqui alguns testes com o barramento I2C usando o kit de desenvolvimento LPC3250 da Embedded Artists. Olhei o esquemático da placa, e identifiquei os pinos SDA e SCL do barramento I2C0 no conector de expansão 3. Como não tinha nenhuma barra de pinos sobrando por aqui (preciso visitar a Santa Efigênia em breve!) soldei uns fios e conectei no Bus Pirate:

Iniciei o terminal e configurei o modo I2C no Bus Pirate:

HiZ>m 4 2
I2C (mod spd)=( 0 1 )
Ready

Que tal escanear o barramento e identificar os endereços de todos os dispositivos conectados nele?

I2C>(1)
Searching I2C address space. Found devices at:
0xA0(0x50 W) 0xA1(0x50 R) 0xAE(0x57 W) 0xAF(0x57 R) 0xC0(0x60 W) 0xC1(0x60 R) 0xCC(0x66 W)

Encontrei 4 dispositivos no barramento I2C0, com os endereços (de 7 bits) 0x50, 0x57, 0x60 e 0x66. Legal, né? :)

E que tal monitorar a comunicação no barramento? Como eu estava com o Linux rodando na placa, forcei o acesso à um expansor de I/O conectado ao barramento I2C, e monitorei o barramento:

I2C>(2)
Sniffer
Any key to exit
[0xC0+0x06+][0xC0+0x04+][0xC0+0x10-0xC1+0x01+][0xC0+0x10+][0xC0+0x10-0xC1+0x05+][0xC0+0x10+]

Para mais informações sobre os comandos de acesso ao barramento I2C, clique aqui.

ONDE COMPRAR?

O projeto é da Dangerous Prototypes. O objetivo destes caras é desenvolver e liberar um projeto de hardware aberto todo mês. Os projetos são baratos, com preços variando de $10 a $50.

Você pode comprar qualquer produto deles, incluindo o Bus Pirate, na Seeed Studio ou em outros distribuidores.

Eu comprei na Seeed Studio neste link aqui.

Custou 27,15 doletas e chegou em duas semanas. Nada mal para um produto que serve de conversor USB/Serial, programa microcontroladores e memórias flash, debuga chips ARM, é um analisador lógico, medidor e gerador de frequências, e que por acaso nos ajuda a hackear barramentos de comunicação… :)

Happy Hacking!

Sergio Prado.

  • Juliano alves

    Sensacional!!!!

    Já estou comprando o meu… vlw Sergio pela dica.

  • Leonardo Pucci

    Muito bacana!
    Já comprado!

    Sergio, obrigado pelo treinamento aqui na Samsung. 

    Sempre tive muitas dúvidas a respeito de desenvoltimento linux!
    Além do curso, os seus posts são muito interessantes!
    Praticamente uma continuação do treinamento. 

    Um abraço

    Leonardo Pucci

  • Rodrigo Pereira

    Sergio, gostei do produto, vc poderia oferece aqui no Brasil ou da dica para alguma loja, eu nuca fiz compra fora do Brasil.

  • Sander max

    amigo como foi a forma de entrega,abraços.

    • http://sergioprado.org/ Sergio Prado

      DHL ou Fedex, não me lembro.

  • Francisco Aparecido Pereira Du

    Olá Sergio. Ele retira senha de bios nas memórias eeprom? Abraços.

    • http://sergioprado.org/ Sergio Prado

      Olá Francisco,

      Sim, desde que a interface com a memória seja um barramento suportado pelo Bus Pirate, como I2C ou SPI.

  • Francisco Aparecido Pereira Du

    Ok. As memórias eeprom que digo, são de notebooks.

  • Fabiano Redante

    Reload Chip printing UPRINT 3d stratasys?

  • Cleiton Gomes

    Sergio, você esqueeceu de tirar o adesivo do acrílico kkk

Navegue
Creative Commons Este trabalho de Sergio Prado é licenciado pelo
Creative Commons BY-NC-SA 3.0.